“Trouble”
Gus Van Sant

Nos anos 60, Andy Warhol impulsionou uma mudança radical no paradigma da arte, provocando o debate sobre o que era realmente importante na sociedade americana. A cultura popular ganhou estatuto de arte, transformando objetos da vida quotidiana em ícones, como a lata de sopa Campbell.

O realizador de cinema Gus Van Sant aventura-se na sua primeira criação de palco, um espetáculo de teatro musical inspirado em Andy Warhol e no seu esmagador talento para elevar a ícone as imagens, ao mesmo tempo que escalava como persona e artista a um estatuto de celebridade mundial.

Gus Van Sant reconstrói o passado de um Warhol em início de carreira, através de uma narrativa ficcional construída a partir de factos reais e de memórias, mas também da imaginação. A atriz Edie Sedgwick, que morreu precocemente, o escritor norte-americano Truman Capote ou o crítico de arte Clement Greenberg são algumas das personagens interpretados por adolescentes e jovens atores que, nesta descontextualização da idade, testam identidades, tendo como pano de fundo o nascimento da Pop Art.

A sensibilidade, a proximidade e o carisma de Gus Van Sant reavivam em “Trouble” a crença de estarmos juntos e de formarmos um coletivo ou um movimento com a força de transformar o mundo.

Texto e encenação: Gus Van Sant
Música e letras: Gus Van Sant
Com: Carolina Amaral, Diogo Fernandes, Francisco Monteiro, Helena Caldeira, João Gouveia, Lucas Dutra, Martim Martins, Miguel Amorim, Valdemar Brito
Colaboração artística e dramaturgia: John Romão
Direção musical: Paulo Furtado / The Legendary Tigerman
Direção vocal: João Henriques
Cenografia: José Capela, com assistência de António Pedro Faria e imagens de José Carlos Duarte
Figurinos: Joyce Doret
Assistência de figurinos: Luana Portella
Desenho de luz: Rui Monteiro
Desenho de som: João Neves
Assistência de encenação: Teresa Coutinho
Tradução e legendagem: Joana Frazão
Direção técnica: Gi Carvalho
Direção de cena: Inês Carvalho Lemos
Produção executiva: Francisca Aires
Produção: BoCA
Co-produção: Teatro Nacional D. Maria II, deSingel, Festival Romaeuropa, Onassis Foundation, Kampnagel, La Comédie de Reims, Théâtre de la Cité – CDN Toulouse Occitanie, Teatro Calderón
Apoios: Suspenso, Teatro Thalia
Agradecimentos: CCB, Solange Freitas

“Trouble” é um projeto comissionado pela BoCA Bienal de Artes Contemporâneas 2021

A BoCA é uma estrutura apoiada pela Direção-Geral das Artes

Próximos Eventos

ler mais
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +