NARCISO

Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea
Curadoria: Filia Oliveira

O artivismo de Tania Bruguera fá-la concentrar no poder institucional, nas fronteiras e na migração. O seu trabalho abrange performance, eventos, cinema, instalação, escultura, escrita e ensino, para além de trabalhos site specific. A arte, para Bruguera, não é um acto neutro, propondo mudanças, também sociais e políticas, por vezes radicais, através das suas criações. Bruguera denomina esta abordagem de Arte Útil, em que as pessoas se envolvem como participantes, em vez de meros espectadores.
A instalação “Narciso” evoca a crise da migração e dos refugiados. Através do olhar de Tania Bruguera, esse movimento ganha a expressão de uma crise individual, centrada no corpo e na identidade de cada espectador: “Uma pessoa senta-se sobre uma escultura a observar o seu reflexo na água. Quando se aproxima da água para se ver a si mesma, o reflexo que encontra não é o seu mas o de uma pessoa imigrante”, escreve Tania Bruguera.
Para esta criação, Tania inspirou-se numa pergunta formulada por Alain Badiou no prólogo a “The Agony of Eros” do filósofo Byung-Chul Han: “É absolutamente certo que o único modo de opor uma concepção de alteridade consumista e contratual é abolir o ‘eu’ numa escala sublime e em-tudo-impossível, de modo a encontrar o ‘Outro’?” No mesmo livro, Byung-Chul Han afirma que para que o pensamento humano exista, “é preciso que a pessoa tenha sido amigo e amante” ou seja, que se tenha dado ao outro.

 

Biografia da artista

 

Produção BoCA
Co-produção Galerias Municipais EGEAC, Estudio Bruguera

VÍDEO
Com a participação de Larisa Tovmasyan, Omid Bahrami, Phylemon Mulanda
Agradecimento RefugiActo
Câmera Pedro Mourinha
Apoios à produção Tworlds Productions, Waves of Youth
Programação MILL – Makers In Little Lisbon
Construção OXYD

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Beatriz Batarda

    17 abril 2021
    Museu de Lisboa - Palácio Pimenta

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP.

    Convidada: Beatriz Batarda (atriz)
    Livro escolhido: "Caderno de Memórias Coloniais" de Isabela Figueiredo
    Espaço verde: Jardim do Palácio Pimenta, Museu de Lisboa (online)

    ler mais