“Sente-me, Ouve-me, Vê-me”

Projeto de formação e criação musical, em homenagem a HELENA ALMEIDA (1934-2018)

 

Concebido por John Romão, diretor artístico da bienal BoCA, o projeto “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” visa homenagear, através da música contemporânea, uma das maiores artistas do século XX e XXI, Helena Almeida (1934-2018).

Inspirado no gesto de Morton Feldman, que criou música para as pinturas de Rothko, da Rothko Chapel, em Houston, o diretor artístico da BoCA perguntou-se como seria criar música a partir da obra plástica de Helena Almeida, que desenvolveu entre 1978-1979 a série “Sente-me, Ouve-me, Vê-me”.

Estabelecendo uma parceria com três universidades de música, de três cidades (Lisboa, Porto e Braga) e reunindo três curadores (Ana Cristina Cachola, Delfim Sardo, Filipa Oliveira) e dois compositores (Dimitrios Andrikopoulos e Diogo Alvim), que assinam a tutoria do projeto, “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” promove a nova criação contemporânea portuguesa, centrada na relação entre as artes visuais e a música, permitindo tecer novas relações entre ambas.

Numa parceria com a Escola Superior de Música de Lisboa, a Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto) e o Departamento de Música da Universidade do Minho (Braga), cada cidade ficou afeta a um verbo – “Sente-me” / Lisboa, “Ouve-me” / Porto e “Vê-me” / Braga. Ao longo de quatro meses, os jovens compositores e instrumentistas recebam formação com os curadores e compositores convidados, afim de comporem e interpretarem musicalmente cada verbo da série homónima de Helena Almeida, e construindo um só objeto artístico através de um estimulante diálogo entre alunos das diferentes cidades.

“Sente-me, Ouve-me, Vê-me” transpira a essência da BoCA, assente nas sinergias e na itinerância. Promove uma sinergia única entre cidades, entre instituições de ensino superior, entre instituições culturais, entre territórios artísticos e entre jovens compositores e instrumentistas, que dialogam através da sua paixão pela música e pelo seu curioso interesse na obra de Helena Almeida. Nos últimos dias da bienal, “Sente-me, Ouve-me, Vê-me” será um concerto, apresentado em Braga, Porto e Lisboa, reunindo assim os três verbos desta série. 


Concepção:
John Romão
Curadores / tutores: Ana Cristina Cachola, Delfim Sardo, Filipa Oliveira
Compositores / tutores: Dimitrios Andrikopoulos, Diogo Alvim

Escola Superior de Música de Lisboa
Compositores: Marta Domingues, Sara Marita e Hugo Xavier.

Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo
Compositores: Margarida Lázaro, Francisco Gomes e Catarina Vieira.

Universidade do Minho / Departamento de Música
Instrumentistas: Morgana Pereira Patriarca, Luís Miguel Jorge Salomé, Rui Manuel Mendes de Seiça Rasteiro, José Alexandre Castro Tedim e João Pedro Pinto Lourenço.

Parcerias: Escola Superior de Música de Lisboa (Lisboa), Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto) e Universidade do Minho (Braga)
Produção: BoCA
Apoios: Direção-Geral das Artes / Ministério da Cultura, Fundação Millennium BCP
Acolhimentos: Teatro Nacional São Carlos (Lisboa), Casa das Artes (Porto), Museu Dom Diogo de Sousa (Braga)
A BoCA agradece à Fundação Calouste Gulbenkian e à Galeria Filomena Soares por terem cedido gentilmente registos de fotografia e de vídeo da série de Helena Almeida

Projeto patrocinado pela Fundação Altice

 

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Patrícia Portela

    27 junho 2021
    Palácio do Marquês de Alegrete

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP e da impressão de livros em braille.

    Convidada: Patrícia Portela (encenadora, escritora)
    Livro escolhido: "As barbas do diabo" Julio Cortázar
    Espaço verde: Palácio do Marquês de Alegrete

    ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Hugo van der Ding

    27 junho 2021
    Casa da Cerca

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto da BoCA que relaciona literatura com os espaços verdes. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP.

    Convidado: Hugo van der Ding (Cartoonista, Cronista)
    Livro escolhido: "Platero e Eu" de Juan Ramón Jiménez
    Espaço verde: Jardim da Casa da Cerca, Almada

    ler mais
  • Na direção da luz

    01 julho 2021 — 31 julho 2021
    Teatro Camões

    HORÁCIO FRUTUOSO

    “Na direção da Luz” é uma intervenção site-specific do artista Horácio Frutuoso para o foyer do Teatro Camões (CNB), dinamizada pela BoCA. Um conjunto de poemas visuais sugerem uma ideia de movimento, de transformação das palavras e do espaço onde estão instalados pela luz.

    1 a 31 Julho 2021

    ler mais