França / Brasil | Espetáculo

 

O Museu do Louvre acolheu a primeira encarnação de “Rua”, em 2016, criação de Volmir Cordeiro, coreógrafo e bailarino brasileiro, numa nova exploração do potencial poético de um corpo em espaço museológico, em tensão com a poesia de Bertolt Brecht sobre a guerra (“O ABC da guerra”, de 1954), que na BoCA ganha novas personificações. O corpo é o mesmo, imenso, aparentemente desconexo, potente e frágil, eloquente na expressão da palavra e na relação que vai criando com a paisagem, urbana e humana, com que se vai cruzando, numa dança de permanente metamorfose entre estados associados à violência, à dor, à festa, à resistência ou à vulgaridade.

Em “Rua”, Volmir encarna os múltiplos corpos e rostos que a rua pode conter. O espaço, percorrido e atravessado pelo bailarino, redesenhado pelos seus movimentos, converte-se numa abstração aberta, enquanto que o intérprete condensa no seu corpo as mais diversas personagens da fauna urbana, as mais marginais. Resposta coreográfica à leitura dos poemas sobre a guerra de Bertolt Brecht, “Rua” implanta uma dança de pensamento e corpo, densificando o espaço, habitando mil fantasmas. A dança, acompanhada pelo tambor de Washington Timbó, explora a tensão e alternância entre a guerra, os corpos devoradores e devorados, e coreografias festivas.

Depois dessa original aparição, no Museu do Louvre, Volmir apresenta agora o solo “Rua” em dois contextos diferentes: num museu de arqueologia (Museu D. Diogo de Sousa, Braga) e no espaço público e patrimonial (Padrão dos Descobrimentos, Lisboa), espaços que emanam qualidades simbólicas bem precisas e que filtram a nossa leitura desta peça de dança.


Coreografia e interpretação:
 Volmir Cordeiro
Percussão: Washington Timbó
Figurino: Vinca Alonso, Volmir Cordeiro
Produção: Margelles
Coprodução: Ménagerie de Verre
Apoios: Musée du Louvre, Laboratoires d’Aubervilliers, CND – Un centre d’art pour la danse, ICI – CCN Montpellier / Languedoc-Roussillon
Agradecimentos: Marcella Lista e Marcela Santander Corvalan

Apoio à apresentação: Instituto Francês de Portugal / Embaixada de França

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Beatriz Batarda

    17 abril 2021
    Museu de Lisboa - Palácio Pimenta

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP.

    Convidada: Beatriz Batarda (atriz)
    Livro escolhido: "Caderno de Memórias Coloniais" de Isabela Figueiredo
    Espaço verde: Jardim do Palácio Pimenta, Museu de Lisboa (online)

    ler mais