João Pedro Vale & Nuno Alexandre Ferreira têm desenvolvido a sua prática em torno das artes visuais e têm atravessado um conjunto de projetos, muitos em colaboração com outros criadores, que resultam em filmes, instalações, fanzines, performances, cenografias e curadorias.

Para este espetáculo, os artistas recorrem ao imaginário circense para elaborar uma parábola absurda sobre a diferença, o estigma, a normatividade, a discriminação e os  limites do convencional, partindo de dois filmes essenciais para a construção do seu imaginário em torno do circo – “Freaks” (1932) de Tod Browning e “Os Palhaços” (1970) de Federico Fellini.

Quer a dúbia duplicidade da categorização de “freak” exposta por Browning, quer a proposta de Fellini de uma visão do circo  enquanto  metáfora  da  vida,  são  aqui  apropriadas  e  contextualizadas  numa sociedade atual onde, tal como o título indica, se utiliza a clássica divisão entre palhaços ricos e pobres para falar de um contexto económico de crise.

O circo, pelo seu caráter comunitário e nómada, com uma estrutura e vivência muito própria, apresenta-se como um último reduto de resistência à assimilação pela economia capitalista que carateriza a sociedade ocidental. Movendo-se nas franjas da sociedade dita global responsável pela massificação de políticas económicas e organizações sociais cada vez mais ingerentes e normativas, o circo continua a ser uma metáfora de tudo o que é considerado diferente e desviante, sendo esse um dos temas centrais do espetáculo “Palhaço Rico Fode Palhaço Pobre”.

 

Dircção, cenários e figurinos João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira
Apoio à encenação Diogo Bento
Interpretação Cláudia Jardim, Daniel Seabra, Diogo Bento, Flávio Leihan, Gonçalo Beira, Ivo Silva, João Pedro Vale, Nuno Alexandre Ferreira, Paulo Duarte Ribeiro, Symone de la Dragma, Vânia Rovisco, Xana Novais
Banda Sonora Original Jibóia
Pinturas João Gabriel
Design Nuno Neto
Desenho de luz Daniel Worm
Desenho de som Sérgio Henriques
Comunicação Rita Bonifácio
Coordenação de produção Cristina Correia
Assistência de produção Vanda Cerejo
Fotografias Bruno Simão
Coprodução BoCA, São Luiz Teatro Municipal, Teatro Municipal do Porto – Rivoli. Campo Alegre
Espetáculo financiado por Governo de Portugal – Cultura/ Direção-geral das Artes

 

Biografias

 

Próximos Eventos

ler mais
  • Cattivo

    18 fevereiro 2020 — 23 fevereiro 2020
    São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Na edição BoCA 2019, a bailarina e coreógrafa Marlene Monteiro Freitas transgrediu a sua prática e criou “Cattivo”, a sua primeira (mega) instalação composta por centenas de estantes de partitura, que são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas. Assistimos à capacidade de encarnarem estados emocionais e de tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos. Agora é a oportunidade única de descobrir a adaptação desta criação em Lisboa.

    ler mais