Portugal | Concerto

 

Stimmung” (1968) é uma das mais notáveis e fundamentais obras de Stockhausen, um dos maiores compositores do séc. XX. Concebida para seis vozes solistas, a obra é agora deslocada, numa resposta ao seu radicalismo e ao seu sentido de religiosidade, para um dos templos da nossa contemporaneidade, uma discoteca (Lux), no contexto da BoCA – Biennial of Contemporary Arts.

Em resposta a uma encomenda para o Collegium Vocale da Rheinische Musikschule de Colónia, Stockhausen inspirou-se na sua recente viagem ao México para dar forma a “Stimmung”. Ao longo de um mês, o seu interesse e consequente exploração das ruínas maias e aztecas, assim como os rituais (“alguns muito cruéis”) que ali tinham lugar, levaram-no a tentar imaginar-se parte daqueles povos, assistindo às suas cerimónias: “tendo-me tornado um maia, um tolteca, um zapoteca ou um azteca – tornei-me parte do povo”.

De regresso, ao instalar-se com a família em Long Island, passaria para a música a sua relação com a arquitetura dos templos – subindo em ascensão ao céu e com faces indutoras de quietude ou de mudanças bruscas. A obra é baseada em séries harmónicas e compõe-se de 51 secções, com evocação de “Nomes Mágicos” (de deuses) e a interpretação de poemas que definem o aspecto meditativo e o simbolismo da obra.

 

Solistas do Coro Gulbenkian
Mariana Moldão Soprano
Rosa Caldeira Soprano
Joana Esteves Contralto
Frederico Projecto Tenor
João Afonso Tenor
Pedro Casanova Baixo

Jorge Matta Direção Artística
Fábio Cachão Assistência Musical

Produção:
Fundação Calouste Gulbenkian / Gulbenkian Itinerante
Apoio: Lux/Frágil

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Beatriz Batarda

    17 abril 2021
    Museu de Lisboa - Palácio Pimenta

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP.

    Convidada: Beatriz Batarda (atriz)
    Livro escolhido: "Caderno de Memórias Coloniais" de Isabela Figueiredo
    Espaço verde: Jardim do Palácio Pimenta, Museu de Lisboa (online)

    ler mais