HOMEWORK

Inspirado no movimento Fluxus, em que artistas escreviam instruções para serem ativadas pelo público dentro dos museus, a BoCA convida agora artistas para escreverem instruções para ativação em casa. Todas as segunda-feira, são partilhadas partituras inéditas que desafiam o público a um diálogo entre o exterior e o interior, o corpo e a imaginação.

Todas as segundas-feiras lançamos a programação da semana no nosso website e redes sociais. Subscreve a nossa newsletter e o nosso canal de Youtube para receberes notícias em primeira mão.


SEMANA 7

1 JUN: Clara Andermatt (coreógrafa)

Nasceu em Lisboa em 1963. Considerada uma das pioneiras do movimento da nova dança portuguesa, a carreira de Clara Andermatt revelou, ao longo dos anos, uma identidade artística particularmente singular no panorama artístico nacional e internacional, e um percurso que, indubitavelmente, deixou a sua marca na história da dança contemporânea portuguesa.
Iniciou os seus estudos de dança com sua mãe Luna Andermatt. Em 1984 graduou-se pelo London Studio Centre, em Londres, recebeu a Bolsa Bridget Espinosa, atribuída anualmente apenas a um aluno, bem como a distinção “The Best Student Award”. Nesse mesmo ano obtém o diploma completo da Royal Academy of Dance de Londres. Foi bolseira do Jacob’s Pillow (Lee, Massachussets, 1988), do American Dance Festival – I.C.R. (Durham, 1994) e do Bates Dance Festival (Maine, 2002). Integrou entre 1984-88 a Companhia de Dança de Lisboa (dirigida por Rui Horta), e entre 1989- 91 a Companhia Metros, em Barcelona (companhia de autor de Ramón Oller).
Em 1991 volta a estabelecer-se em Portugal e cria a sua própria Companhia, atualmente designada como ACCCA – Associação Cultural Companhia Clara Andermatt, coreografando um vasto número de obras regularmente apresentadas em território nacional e no estrangeiro.
Em 1994 inicia uma forte relação com Cabo Verde, cria vários projetos com intérpretes locais, ações de formação e colaborações com artistas de diferentes áreas, que culminam numa série de residências, projetos e espetáculos. Uma colaboração por 7 anos consecutivos e que perdura até hoje.
É regularmente convidada a criar para outras companhias, a lecionar em diversos estabelecimentos de ensino, e a participar como coreógrafa nas áreas do cinema e teatro. Ao longo da sua carreira coreografou mais de 50 obras. Assina quatro peças para o Ballet Gulbenkian (entre 1996-2004), e mantém igualmente uma estreita relação com a Companhia Nacional de Bailado, que a convidou a coreografar três espetáculos (entre 2011-2020).
O seu percurso é marcado pela viagem, pelo encontro com outras culturas e outras linguagens artísticas, especialmente nas zonas de fronteira entre formatos e estilos, entre o corpo treinado e não treinado e o desejo de aproximação do outro, procurando sentir e perceber a singularidade de cada indivíduo. Com uma linguagem muito própria, tem desenvolvido um trabalho singular de dupla dimensão: artística e inclusiva.
Desde 2015 que, a partir de um convite da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, faz a direção artística do projeto “Lab inDança”. Um projeto de dança inclusiva também apoiado pelo programa PARTIS, da Fundação Calouste Gulbenkian. (2019-2021).

 

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Patrícia Portela

    27 junho 2021
    Palácio do Marquês de Alegrete

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP e da impressão de livros em braille.

    Convidada: Patrícia Portela (encenadora, escritora)
    Livro escolhido: "As barbas do diabo" Julio Cortázar
    Espaço verde: Palácio do Marquês de Alegrete

    ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Hugo van der Ding

    27 junho 2021
    Casa da Cerca

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto da BoCA que relaciona literatura com os espaços verdes. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP.

    Convidado: Hugo van der Ding (Cartoonista, Cronista)
    Livro escolhido: "Platero e Eu" de Juan Ramón Jiménez
    Espaço verde: Jardim da Casa da Cerca, Almada

    ler mais
  • Na direção da luz

    01 julho 2021 — 31 julho 2021
    Teatro Camões

    HORÁCIO FRUTUOSO

    “Na direção da Luz” é uma intervenção site-specific do artista Horácio Frutuoso para o foyer do Teatro Camões (CNB), dinamizada pela BoCA. Um conjunto de poemas visuais sugerem uma ideia de movimento, de transformação das palavras e do espaço onde estão instalados pela luz.

    1 a 31 Julho 2021

    ler mais