Salomé Lamas tem desenvolvido um corpo de trabalho destinado a salas de cinema, a museus e a galerias. Lamas procura diluir a suposta fronteira entre documentário e ficção. Interessada pela relação intrínseca entre narrativa, memória e história, Lamas utiliza a narrativa para explorar o traumaticamente reprimido, aparentemente irrepresentável ou historicamente invisível, desde os horrores da violência colonial até às paisagens do capital global.

Para a BoCA, a artista apresenta em estreia mundial “Fatamorgana”, a sua primeira criação de palco. Uma paródia política, onde uma mulher dá por si num museu de cera – nos arredores de Beirute – após a hora do fecho, e de onde emergem figuras históricas – outras contemporâneas. Tal como Molly Bloom e, mais virtuosa, Penélope, Hanan espera pelo marido. Hosni Mubarak, Yasser Arafat, Bill Clinton, Donald Trump, Saddam Hussein, Georges W. Bush, Bashar al-Assad ou o Homem Mais Baixo do Mundo são algumas das personagens que emergem, como fantasmas, e com quem dialoga, limpando-lhes o pó. Hanan torna-se surda, torna-se cega e, provavelmente, muda. Para que servem as palavras quando ninguém as ouve?

Conceção e direção artística Salomé Lamas
Texto Isabel Ramos em colaboração com Salomé Lamas
Interpretação Antónia Terrinha
Prólogo beirute
Com a participação em filme de Christine Choueiry, Roula Hamadeh, Caroline Hatem, Nada Abou Farhat, Claude Baz
Direção de fotografia Boris Levy
Direção de produção Elie Deek
Assistência de produção Hanady Abi Raad
Location Ashkal Alwan

Participação especial (audio)
Funcionário Ricardo Teixeira
Cliente Shopping Ana Jotta
Guia do Museu Hezbollah Diogo Bento
Turista I Cátia Tomé
Turista II João Abreu
Rapazinho David Simões
Mãe Crista Alfaiate

Personagens secundárias (audio)
Mohammed Saeed Al-Sahaf anónimo
Yasser Arafat Mohammad Fayyad
Saddam Hussein anónimo
George W. Bush Carlos Beja
Ronald Reagan Randolph Albright
Vladimir Putin Andrey Zhakin
Donald Trump anónimo
Sabah Alaa Alltarir
Voz ao Telefone Sumiati Syamsu
Hosni Mubarak António Ghali
Fattest Man In The World anónimo
Shortest Man In The World Jerrald James
T.E. Lawrence anónimo
Bashar Al-Assad anónimo
Abdullah Bin Abdzul Aziz Al-Saud anónimo
Coro Andreia Soares, Bruno Lima, João Bebiano, Lyvia Macrino, Mariana Ponte, Marta Martins
Muammar Al-Kadhafi anónimo
Bill Clinton Michael Baum
Flash News Tiago Filipe Pereira e Sofia Pêgo
Hassan Nasrallah Hadi Alia
Recep Erdogan anónimo
John Kerry Keith Davis

Desenho de som e mistura Miguel Martins
Gravações em estúdio Miguel Martins, Tiago Matos
Desenho de luz Rui Monteiro
Aconselhamento à cenografia e figurinos Fernando Brízio
Figurino Alexandra Moura
Maquilhagem e cabelos Raquel Laranjo
Vídeo Salomé Lamas
Grafismos Sofia Bairrão
Pós-produção de imagem Andreia Bertini
Direção de produção Joana Gusmão
Assistência à produção e encenação Maria Inês Gonçalves
Estagiárias Michal Shanny, Laura Martins

Traduções
António Martins (Português-Esperanto), Gloria Dominguez (Português-Inglês), Harjanti Bandeira (Português-Bahasa), Noradine Taibi (Português-Árabe), Olga Shkel (Português-Russo), Vasco Menezes (Português-Inglês)

Estúdio de som Walla Collective
Estúdio de montagem Lamaland
Estúdio de ensaios Centro Cultural de Belém
Laboratório Ingreme

Produção BoCA
Co-produção Centro Cultural de Belém, Colectivo 84, Les Films du Bal (Judith Lou Levy, Eve Robin)
Apoio Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes
Apoio ao desenvolvimento Marra.tein, Ashkal Alwan, CNAP – Centre National des Arts Plastiques
Apoio adicional ValorPneuScreen Miguel Nabinho, Walla Studio, IngremeAlexandra MouraLourisom

Biografia

Próximos Eventos

ler mais
  • SÉANCE – Lisboa

    24 abril 2019 — 27 abril 2019
    ZDB, Lisboa

    MARIANA TENGNER BARROS

    "Séance" é uma performance intimista, para 3 a 10 espetadores de cada vez, em sessões únicas e contínuas com duração de 30 minutos. Mariana Tengner Barros mergulha esteticamente na era Victoriana, buscando referências no movimento Espírita, que surgiu no séc. XIX, simultaneamente com o movimento feminista e como reação à revolução industriall. O corpo surge assim como veículo para aceder às “mensagens”, ao discurso histérico.

    ler mais
  • SENTE-ME, OUVE-ME, VÊ-ME

    26 abril 2019
    Museu Dom Diogo de Sousa, Braga

    Projeto de formação e criação musical a partir da obra de HELENA ALMEIDA

    O projeto homenageia, através da música contemporânea, uma das maiores artistas do século XX e XXI, Helena Almeida (1934-2018). Reunindo alunos da Escola Superior de Música de Lisboa, da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto) e da Universidade do Minho (Braga), jovens compositores criam novas obras a partir da série homónima de H. Almeida. O resultado: um concerto que junta alunos das três universidades.

    ler mais
  • LO FRÍO Y LO CRUEL

    26 abril 2019 — 27 abril 2019
    Mosteiro de Tibães, Braga

    ANGÉLICA LIDDELL

    Em estreia mundial, para a sua nova criação, Angélica Liddell parte da narrativa de Sacher-Masoch e da de Marquês de Sade, e do texto "O Frio e o Cruel" (1967) de Gilles Deleuze. Liddell foca-se na parte literária e artística das perversões, afastadas de qualquer explicação clínica, onde é destacada a expressão poética que vai além de qualquer fronteira ou disciplina artística, para apresentar as relações entre pai e filha.

    ler mais
  • VOLUTA

    26 abril 2019 — 30 abril 2019
    Mosteiro de Tibães, Braga

    JOÃO PAIS FILIPE

    Para a transparente Casa do Volfrâmio, no Mosteiro de Tibães (Braga), João Pais Filipe projecta a sua primeira instalação. Uma instalação circular de gongos, que se suspendem como objetos escultóricos, que podem ser ativados sonoramente pelos visitantes e que conhecerá dois momentos de concerto-performance ao vivo de interação física entre o músico e os seus instrumentos-esculturas.

    ler mais
  • PIANO INTERPRETATIONS

    27 abril 2019
    Carpintarias de São Lázaro, Lisboa

    KUKURUZ QUARTET tocam JULIUS EASTMAN e MARCEL ZAES

    O quarteto de pianistas Kukuruz Quartet traz pela primeira vez a Portugal a música do compositor minimalista Julius Eastman (1940-1990). Afro-americano e gay, a obra de Eastman, com composições como "Nigger Fagot", "Crazy Nigger" ou "Gay Guerilla", são um confronto público e social agressivo, contrapondo com as obras meditativas. Conheceremos também "Quartet No.10" do compositor suíço Marcel Zaes.

    ler mais
  • SENTE-ME, OUVE-ME, VÊ-ME

    28 abril 2019
    Casa das Artes, Porto

    Projeto de formação e criação musical a partir da obra de HELENA ALMEIDA

    O projeto homenageia, através da música contemporânea, uma das maiores artistas do século XX e XXI, Helena Almeida (1934-2018). Reunindo alunos da Escola Superior de Música de Lisboa, da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto) e da Universidade do Minho (Braga), jovens compositores criam novas obras a partir da série homónima de H. Almeida. O resultado: um concerto que junta alunos das três universidades.

    ler mais
  • SENTE-ME, OUVE-ME, VÊ-ME

    29 abril 2019
    Teatro Nacional São Carlos, Lisboa

    Projeto de formação e criação musical a partir da obra de HELENA ALMEIDA

    O projeto homenageia, através da música contemporânea, uma das maiores artistas do século XX e XXI, Helena Almeida (1934-2018). Reunindo alunos da Escola Superior de Música de Lisboa, da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (Porto) e da Universidade do Minho (Braga), jovens compositores criam novas obras a partir da série homónima de H. Almeida. O resultado: um concerto que junta alunos das três universidades.

    ler mais
  • Pajubá

    30 abril 2019
    Lux/Frágil, Lisboa

    LINN DA QUEBRADA

    Linn da Quebrada é uma cantora transexual, compositora e artista multimédia. O seu álbum, "Pajubá", significa um dialeto falado pela comunidade gay e simpatizantes, no Rio de Janeiro, como forma de sobrevivência contra a violência da rua. Com um poder lírico incisivo e frequentemente humorístico, ela aborda questões como a violência, a pobreza, a política do corpo, o sexo, o desejo e as lutas diárias das mulheres trans brasileiras.

    ler mais
  • SCOTOMA CINTILANTE

    30 abril 2019
    Teatro Nacional São Carlos, Lisboa

    JONATHAN ULIEL SALDANHA

    Jonathan Saldanha desenvolve um projeto de investigação que surge a convite da Escola das Artes – UCP para o desenvolvimento de uma peça vocal que reflete os arquétipos da paixão de Cristo. "Scotoma Cintilante" parte de uma mundivisão onde a relação tátil com a matéria inanimada é a fonte primordial da construção do som.
    Integrando uma escultura e um coro de cegos, este concerto-performance inscreve-se entre matéria e anima, pré-linguagem e superfície.

    ler mais