Tania Bruguera (1968) é uma artista cubana que tem operado na interseção entre arte e vida, explorando o papel que o artista e a arte podem ter na sociedade de hoje e na esfera política. Durante mais de 25 anos, Bruguera criou performances e instalações socialmente ativas que examinam a natureza das estruturas do poder político e o seu efeito sobre as vidas dos indivíduos e grupos mais vulneráveis da sociedade. A sua pesquisa centra-se na maneira como a arte pode ser aplicada à vida política quotidiana.

As suas obras expõem os efeitos sociais das forças políticas e apresentam questões globais de poder, migração, censura e repressão através de obras participativas que transformam “espetadores” em “cidadãos”. Ao criar propostas e modelos estéticos para o uso e adaptação dos outros, define-se como iniciadora em vez de autora, e colabora regularmente com vários indivíduos e instituições (MoMA, Gugghenheim, Tate, Bienal de Havana, etc.) para que a plena realização da sua obra ocorra quando os outros a adotam e perpetuam.

Promovendo o conceito de arte útil (literalmente, arte enquanto um benefício e uma ferramenta), Tania Bruguera propõe soluções para problemas sociopolíticos através da implementação da arte e desenvolve projetos de longo prazo que incluem um centro comunitário, um partido político para imigrantes e a escola Arte de Conduta.

Projetado para o contexto da BoCA, a artista desafia-se a entrar no território do teatro, propondo encenar “Endgame” (Fim de partida) de Samuel Beckett, texto que leu em 1998 e para o qual desenhou uma gigante estrutura cilíndrica, constituída por andaimes, que será habitada pelo público, que vê o espetáculo de cima para baixo.

 

Endgame
by Samuel Beckett

Direção Tania Bruguera
Arquitetos Dotan Gertler Studio
Com Brian Mendes, Jess Barbagallo, Pedro Aires e Lara Ferreira
Desenho de luz Rui Monteiro
Assistência de iluminação Carin Geada e Manuel Alão
Desenho de som Rui Lima e Sérgio Martins
Gravação sonora Luke Martinez
Assistente de direção Mitchell Polonsky
Direção técnica Patrícia Gilvaia
Produção executiva Francisca Aires
Direção de produção Ana Rita Osório
Produção BoCA
Apoio Ministério da Cultura / Direção Geral das Artes
Co-produção Teatro Nacional de São João, Colectivo 84, Kunsten Festival des Arts, Théâtre Nanterre-Amandiers, Festival d’Automne à Paris, Fondation d’Enterprise Hermès, International Summer Festival Hamburg, Estudio Bruguera, International Summer Festival Kampnagel (Hamburgo)

Biografia

Próximos Eventos

ler mais
  • A Viagem Invertida / Barcelona

    25 outubro 2019
    Caixa Forum / Barcelona

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" é apresentada no contexto da exposição "En Caída Libre", com curadoria de João Laia, em Barcelona. Tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e de Lula Pena, e música de Raw Forest.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • COMO FAZER UMA MÁSCARA / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    PEDRO BARATEIRO

    A performance "Como Fazer uma Máscara" de Pedro Barateiro é um monólogo, acompanhado por um conjunto de imagens projectadas, em que o artista tenta pensar a questão da máscara, através de dispositivos de linguagem e imagem e exemplos que vão da história do teatro ocidental a testes de personalidade.

    ler mais
  • Hard to be a god / Bangkok

    06 dezembro 2019 — 07 dezembro 2019
    Neilson Hays Library / Bangkok

    JOHN ROMÃO & ROMEU RUNA

    Depois da sua estreia mundial no contexto da BoCA 2017, em Lisboa, a performance “Hard to be a god” continua a sua circulação internacional e viaja agora até Bangkok. Os espectadores observam a performance através de uma janela de vidro que separa a ação de seu próprio corpo (protegido), como se fosse uma tela, enquadrando a ação exterior. Uma luta entre a natureza - em todo o seu esplendor - e a tecnologia.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • A Viagem Invertida / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da sua estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" continua em digressão internacional. "A Viagem Invertida" tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e música de Raw Forest.

    ler mais
  • Cattivo

    18 fevereiro 2020 — 23 fevereiro 2020
    São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Na edição BoCA 2019, a bailarina e coreógrafa Marlene Monteiro Freitas transgrediu a sua prática e criou “Cattivo”, a sua primeira (mega) instalação composta por centenas de estantes de partitura, que são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas. Assistimos à capacidade de encarnarem estados emocionais e de tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos. Agora é a oportunidade única de descobrir a adaptação desta criação ao SLTM.

    ler mais