ECOTEMPORÂNEOS
Literatura em espaços verdes

Convidada: Selma Uamusse (cantora)
Espaço verde: Quinta Alegre / Palácio do Marquês de Alegrete (Charneca do Lumiar, Lisboa)
Livro escolhido: “Vamos Comprar um Poeta” de Afonso Cruz
Moderação: Gisela Casimiro

Domingo, 6 de Junho / 11h30
Lotação limitada à capacidade do espaço com inscrição prévia para info@bocabienal.org

> Sessão com intérprete de Língua Gestual Portuguesa e oferta do livro em braille.

Ecotemporâneos é uma comunidade de leitura em espaços verdes da cidade de Lisboa. Propondo conexões entre literatura e espaços verdes, em cada sessão um convidado escolhe um livro cuja temática ou imaginário associa àquele lugar.

Aberto, inclusivo e acessível, as sessões do Ecotemporâneos contam também com um intérprete de Língua Gestual Portuguesa e são produzidos e distribuídos livros em braille, tornando acessível a leitura e o diálogo entre todos.

 


Selma Uamusse é uma cantora moçambicana nascida em 1981 a viver em Portugal desde 1988. Canta profissionalmente desde adolescente tendo um percurso bastante diversificado na música.
Estudou no Hot Clube de Portugal e criou em nome próprio os projectos Souldivers, Selma Uamusse Nu Jazz Ensemble e Tributo a Nina Simone, onde colaborou com Ana Bacalhau, Rita Redshoes, Marcia,The Legendary  Tigerman, Luisa Sobral, Elisa Rodrigues, Gospel Collective, entre outros. Participou em discos e espetáculos de diversos artistas como Samuel Úria, Medeiros/Lucas, You Cant Win Charlie Brown, Joana Barra Vaz, Moullinex, Orquestra Todos entre outros. No último ano emprestou também o corpo e voz a projectos de teatro (“Ruínas” com encenação de António Pires e  “Passa-Porte” de André Amálio), cinema (“Cabaret Maxime” de Bruno Almeida e “Fogo” de Pedro Costa) e  nas artes visuais (instalação de Angela Ferreira).
Em nome próprio, Selma Uamusse explora as raízes do seu país de origem, usando ritmos moçambicanos e letras em línguas nativas, com a utilização de instrumentos tradicionais como timbila e mbira, combinando tudo com electrónica e com outras referências que espelham as suas diversas influências.

 

Gisela Casimiro é escritora e artista. Publicou “Erosão” a título individual e fez parte de antologias como “Rio das Pérolas”, “Venceremos! Discursos escolhidos de Thomas Sankara” e “As Penélopes”. Nos últimos anos assinou crónicas regulares no Hoje Macau, Buala e Contemporânea. Colaborou com diversos festivais, museus e teatros. Participou ainda em exposições no Armário, Zé dos Bois, Balcony e Museu Nacional de Etnologia. É membro do INMUNE – Instituto da Mulher Negra em Portugal.


Conceito:
John Romão
Programação:
John Romão e Carolina Trigueiros
Co-produção: BoCA e EGEAC Espaço Público

Próximos Eventos

ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Patrícia Portela

    27 junho 2021
    Palácio do Marquês de Alegrete

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto que relaciona a literatura com os espaços verdes da cidade de Lisboa. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP e da impressão de livros em braille.

    Convidada: Patrícia Portela (encenadora, escritora)
    Livro escolhido: "As barbas do diabo" Julio Cortázar
    Espaço verde: Palácio do Marquês de Alegrete

    ler mais
  • ECOTEMPORÂNEOS: Hugo van der Ding

    27 junho 2021
    Casa da Cerca

    ECOTEMPORÂNEOS

    Ecotemporâneos é um projeto da BoCA que relaciona literatura com os espaços verdes. Aberta, inclusiva e acessível, em cada sessão um novo convidado escolhe um livro e liga-o ao espaço verde onde o público reúne. Conta com a presença de um intérprete de LGP.

    Convidado: Hugo van der Ding (Cartoonista, Cronista)
    Livro escolhido: "Platero e Eu" de Juan Ramón Jiménez
    Espaço verde: Jardim da Casa da Cerca, Almada

    ler mais
  • Na direção da luz

    01 julho 2021 — 31 julho 2021
    Teatro Camões

    HORÁCIO FRUTUOSO

    “Na direção da Luz” é uma intervenção site-specific do artista Horácio Frutuoso para o foyer do Teatro Camões (CNB), dinamizada pela BoCA. Um conjunto de poemas visuais sugerem uma ideia de movimento, de transformação das palavras e do espaço onde estão instalados pela luz.

    1 a 31 Julho 2021

    ler mais