A construção de um monumento integra (quase sempre) a possibilidade implícita da permanência de um tributo. A própria arquitetura, os seus métodos e formas, antecipam já um conjunto de ações a serem praticadas e um tempo a ser vivido dentro e fora de determinado espaço. Tomando a transitoriedade ou o nomadismo desse lugar, “Casa-animal” é um monumento definido para o espaço público.

Aberto à visitação e à experimentação, o projeto condiciona o nosso modo de ver e de ser perante um acontecimento ou relação. Desmontável, transportável e adaptável às necessidades e acontecimentos nele definidos, esta escultura-monumento-palco resulta da colaboração entre a dupla de artistas Musa paradisiaca (Eduardo Guerra e Miguel Ferrão) e o Arquiteto Miguel Roxo, com o apoio do Engenheiro Vasco de Barros.

Construído a partir de uma noção híbrida de escala, entre homem e animal, este é um lugar que partilha qualidades de abrigo, capela e estrebaria. A “Casa-animal” alberga ainda um conjunto de ações (projeções de vídeos, instalações, conversas, ações performativas, etc.), incluindo a estreia de um novo filme da Musa paradisiaca e outros eventos propostos a partir de uma convocatória pública.

 

PROGRAMAÇÃO OPEN CALL

O jardim dos caminhos que se bifurcam
João Cristovão Leitão
7 ABR / 14H – 16H

Minotauro e Ícaro: ambos encarcerados num palácio que, afinal, é um indizível Jardim – no centro, o arvoredo profundo; à frente, o mar aberto; atrás, o deserto sem fim. Esse Jardim é do tamanho do mundo. Ou melhor: é o mundo. Nele, tudo existe infinitas vezes e qualquer lugar é outro lugar. Nele, o tempo bifurca-se, perpetuamente, em direcção a inúmeros futuros. Sabe-se, contudo e porque não é perfeito o mundo, que alguma vez os caminhos labirínticos do Jardim hão de convergir.

 

Ceci n’est pas une corps, ceci n`est pas une dance
Raquel Raso Madeira
7 ABR / 16H – 18H

Na realidade deste momento instalam-se a aparência e o imaginário. Somos corpo ocupado de objeto. Corpo que busca na multiplicidade irregular do real, a reinterpretação de si mesmo.

O excesso de presença de ti, destitui-me o significado.

 

Sessão com Musa paradisiaca
7 ABR / 18H – 19H

 

Movie Maker – Aparelho de um destino
João Henriques
6 ABR / 14H – 16H

Movie Maker, é uma plataforma do futuro, que permite ao individuo criar um destino imagético. Ele tem a possibilidade de escolher e ver o seu futuro, não nas cartas, mas em pastas no ambiente de trabalho. Através do código binário permitimos uma comunhão de teleologias individuais. Nós “damo-lhe” a oportunidade de decidir quem é que quer ser e como é que quer ver o mundo.

 

Sermão
Eduardo Fonseca e Silva e Francisca Valador
6 ABR / 14H – 18H

Uma escultura-objecto que representa um cão sobre um livro e uma faca (aproximadamente à escala real). De carácter quase decorativo. Três elementos que compõe uma narrativa sobre algo passado ou indefinido. Corpos inertes, incerto

 

Estou a lixar-me
Ana Santos
5 ABR / 14H – 16H

A imagem, o aparecimento de múltiplas reproduções de corpos, transparente e crua, alterna o corpo entre tangências pessoais e pornográficas, submetido ao trabalho, estigmatizado por sistemas que o reproduzem. Os corpos máquina, aqueles que são fabricados, multiplicados e sujeitos a contaminação. Polir, desvanecer, o que resta? Nada a não ser pó. Toda a memória é uma não memória.

 

Wordcoin
Diogo Cruz
5 ABR / 16H – 18H

WORDCOIN propõe a implementação de uma nova moeda, que dará um valor literal ao discurso de cada um. Com a criação do “Banco de Argumentação”, o cliente-espectador terá a oportunidade de confiar os seus argumentos a uma instituição que os poderá guardar, investir e comercializar, dando a exposição merecida e objectiva às suas ideias – www.wordcoin.net

O banco será apresentado pela primeira vez em Portugal, na CASA-ANIMAL dos Musa Paradisiaca, em inglês e português.

 

2017 map_02
Tomaz Hipólito
2 ABR / 14H – 16H

“2017 map_02” Tomaz Hipólito ocupa a Casa-Animal, concebida pela dupla Musa paradisiaca, e coloca em evidência a relação entre espaço, artista e obra.

Neste trabalho é referenciada outra exposição dos Musa paradisiaca, que acontece em simultâneo, na Galeria Múrias Centeno em Lisboa. É através da deslocação das Folhas de Sala do seu contexto original para a Casa-Animal que estas adquirem novos significados e oferecem ao visitante a ilusão de acesso a uma outra realidade.

 

Lisboa não é para meninas
Sofie Amalie Andersen & Rosaura Ruiz
2 ABR / 16H – 18H

“Lisboa não é para meninas” é uma frase usada por um grupo de amigos em Lisboa. Vamos partilhar experiências de luta, dificuldades e sofrimentos que esta cidade ambígua pode fazer-nos experimentar, mas também histórias de superação e crescimento, de positividade encontrada ao longo do caminho.

 

Projecto the call is open
BoCA Sub21
1 ABR / 10H – 13H

Este bando encontra-se todos os sábados em casas diferentes, para partilhar num território comum o que têm de diferente: estes encontros/reuniões são a sua casa. Por isso propomos que a Casa Animal seja casa de uma das reuniões deste bando, que irá convidar quem se quiser juntar a ele, para participar ou ouvir, fazendo da Casa Animal um palco deste encontro, um monumento comemorativo desta assembleia e escultura de um plenário.

 

Another play off memory
Ana Sofia Leite e Hugo Marques
1 ABR / 14H – 16H

“Another Play Off Memory” é uma performance que constrói e desconstrói a dança e a música. Os elementos sobrepõe-se em desenhos caóticos até à depuração no seu estado minimalista onde os gestos e os sons se aproximam do silêncio.

 

Tanque Dada
Carlos Ribeiro
1 ABR / 16H – 18H

Tanque DADA é um “tanque-de- lavar-roupa”. Tanque DADA é também um dispositivo feminista. Tanque DADA é pesado e é inútil como todas as coisas pesadas. Tanque DADA é inútil e pesado. Sendo inútil é usado para não lavar a roupa, por outro lado, pesado que é, exige dois homens para o transportar. Mas Tanque DADA é um dispositivo feminista e não se deixa transportar por homens, … a não ser …!

 

Estufa Fria – A caminho de uma nova esfera de relações
Isabel Costa
31 MAR / 14H – 16H

Antropoceno é o momento geológico em que vivemos. Cada vez mais, assistimos às consequências da centralidade que se tem dado à pessoa humana no nosso ecossistema – uma dessas consequências é o modo como nos relacionamos com outros seres ou coisas.

Será que podemos ampliar o nosso círculo de afectos e incluir outra esfera de relações, como a dos animais, das plantas dos seres não vivos? Como nos relacionamos com outras espécies ou coisas? Esta performance é um ensaio sobre essa outra esfera. É a tentativa de um começo.

 

Aparições

Lucia Nacht
31 MAR / 16H – 18H

Aparições é una performance audiovisual. Faz presente a ausência. Pode um corpo estar presente e ausente ao mesmo tempo? Transcender o tempo e o espaço? Aparições pretende encarnar um corpo despojado que aloje todos os corpos silenciados, focando-se nos corpos feitos desaparecer pela última ditadura militar argentina.

 

Reencontres Internacional Paris/Berlim
30 MAR / 14H – 18H

 

Not-an-amoeba
Rita Cepa
29 MAR / 14H – 16H

O projecto “not-an- amoeba” pretende consumar uma reflexão sobre a fragilidade do universo (animal e artístico). O título prende-se com um minúsculo animal, a amoeba (uma célula que altera a sua forma, como Casa-Animal). Todavia, este representa a afirmação de um ser não frágil e não-mutável (contra a sua aparência débil).

O objecto-animal é apresentado isolado e no centro, o que pode remeter para uma espécie de sagrado, um totem-animal.

 

Exercício de etiqueta para comer afectos
Maria Clara Contucci
29 MAR / 16H – 18H

O público é convidado a entrar na Casa-animal onde será proposta uma refeição. Em uma espécie de menu degustação de doces portugueses à base de ovos, acompanhados de manuais de etiqueta, exploram-se afectos através do alimento e vice-versa.

 

Batalha Naval Animal
Andrea Ebert
28 MAR / 14H – 16H

 

Produções Incêndio
Produções Incêndio
28 MAR / 16H – 18H

 

Casa-animal, 2017
Musa paradisiaca com Miguel Roxo e o apoio de Vasco de Barros
Estrutura metálica desmontável, 341 x 372 x 200 cm

 Co-produção BoCA, Galerias Municipais/EGEAC

 

 

Biografia

 

Próximos Eventos

ler mais
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +