“Brasa”


A palavra Brasil tem origem na grande quantidade de árvores de pau-brasil, existentes na região do litoral brasileiro. Brasil deriva de brasa, pois esta árvore possui uma seiva avermelhada, cor de brasa. Durante anos, essas árvores foram extraídas e vendidas para o continente europeu. Podemos dizer que foi um dos objetos que mais cruzou o Atlântico. Nos últimos anos, novos grupos migratórios escolheram Portugal ou o Brasil para desenvolver estudos académicos, em busca de novas oportunidades de trabalho ou simplesmente para sair do seu país de origem por motivos políticos. Mas quem são esses novos migrantes brasileiros e portugueses? Que desejos têm quando decidem migrar?

“Brasa”, Tiago Cadete prossegue uma das suas linhas de pesquisa teatral, a da interrogação e de olhar crítico sobre a relação histórica entre Portugal e Brasil, na sequência de “Entrevistas” (2018), “Cicerone” (2020) ou “Atlântico” (2020). Desta vez, faz-se acompanhar de um elenco de criadores-intérpretes de origens diversas: Isabél Zuaa, Julia Salem, Tita Maravilha, Magnum Alexandre Soares, Ana Lobato, Dori Nigro, Gustavo Ciríaco e Raquel André.

Comissionado e co-produzido pela BoCA, foi estreado na Bienal BoCA 2021 em Faro e Lisboa e viaja agora a Santos, no Brasil. 

Criação e espaço: Tiago Cadete
Com e co-criadores: Júlia Salem, Keli Freitas, Magnum Alexandre Soares, Tiago Cadete, Tita Maravilha
Em vídeo: Ana Lobato, Dori Nigro, Gustavo Ciríaco, Isabél Zuaa, Raquel André
Assistente de criação: Leonor Cabral
Figurinos: Carlota Lagido
Luz: Rui Monteiro
Câmara: Afonso Sousa
Edição de tela: António MV
Director técnico: Nuno Patinho
Produção executiva: Cláudia Teixeira
Gestão financeira e administração: Vítor Alves Brotas
Assessoria de imprensa: Mafalda Simões
Produção: Co-pacabana
Comissão e co-produção: BoCA
Residências: Fábrica das Ideias /  Gafanha da Nazaré (23 Milhas), O Espaço do Tempo, Teatro da Malaposta, Teatro da Voz
Projecto financiado por: República Portuguesa – Cultura / Direcção-Geral das Artes
Parceiro institucional: República Portuguesa – Ministério da Cultura

Próximos Eventos

ler mais
  • O CARRO FALANTE

    16 junho 2024 — 18 junho 2024
    Wiener festwochen

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • TERRA COBRE

    18 julho 2024 — 19 julho 2024
    Festival dos Canais

    JOÃO PAIS FILIPE & MARCO DA SILVA FERREIRA

    Nova criação do artista sonoro João Pais Filipe e do dançarino Marco da Silva Ferreira que cruza a arte chocalheira tradicional da vila de Alcáçovas, no Alentejo, com práticas artísticas contemporâneas.

    +
  • O Carro Falante

    06 setembro 2024 — 07 setembro 2024
    Nowy Teatr

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +
  • O Carro Falante

    09 outubro 2024 — 10 outubro 2024
    HAU Berlim

    AGNIESZKA POLSKA

    A convite da BoCA, Agnieszka Polska cria a sua primeira peça de teatro, com interpretação de Albano Jerónimo, Íris Cayatte, Vera Mantero e Bartosz Bielenia. Um grupo de pessoas viaja num carro que não para. Um espetáculo sobre o papel de alguém preso no complexo sistema de agentes humanos, não-humanos e infraestruturas sociotecnológicas.

    +