O palco da Sala Garrett do Teatro Nacional D. Maria II transforma-se para receber uma exposição de artes visuais. João Maria Gusmão & Pedro Paiva trabalham em conjunto desde 2001, produzindo filmes, esculturas, fotografias, instalações e antologias de textos que eles próprios descrevem como “ficção poético-filosófica”.

O trabalho de Gusmão e Paiva chama a atenção para a realidade e para o aparecimento da realidade, já que a maioria dos seus filmes são registados em alta velocidade antes de serem projetados em câmera lenta, revelando detalhes normalmente imperceptíveis. Em “Avantesma Fantasma”, este efeito fantasmagórico dialoga com a arquitetura do palco do D. Maria II.

O espetador é convidado a deambular num labirinto de imagens em movimento. Nestas projeções de 16mm podemos encontrar uma representação de teatro Noh, em que o fantasma de um demónio procura explicar o irrepresentável, a experiência da sua própria morte; passageiros adormecidos, filmados em câmara lenta, num Shinkansen (comboio bala) que liga Quioto a Tóquio a 500 km/h, mostrando um mundo detrás das janelas do veículo que parece estar enfeitiçado por uma aceleração contraditória; um projetor filmado a 2000 imagens por segundo, que projeta a sua própria projeção contra um espelho invisível; ou vemos máquinas de cinema por onde imagens aparecem e desaparecem.

 

Produção Francisca Bagulho
Co-produção BoCA, Teatro Nacional D. Maria II
Fotografias Bruno Simão / BoCA

 

Pavão (nue), 2016
Filme 16mm, cor, sem som, 26:30 MIN

com Madoka Mikata, Ryouichi Arimatsu, Yoshinobu Shigeyama, Yasunori Morita, Kodo Sowa, Hisato Ibayashi, Mitsunori Maekawa, Kazushige Kawamura, Hiromichi Tamoi, Hiroyuki Matsuno, Kazutaka Kawamura, Kazushige Kawamura, Chisato Juge, Soichiro Hayashi

Apoio: Kyoto Art Center

 

Projector (camera test), 2016
Filme 16mm, cor, sem som, 3’00’’

Co-produção: Aargauer Kunsthaus, Aarau, SeMA Biennale Mediacity Seoul 2016

 

Dormindo num comboio bala, 2015
Filme 16mm, cor, sem som, 8’02’’

Comissionado: REDCAT, Los Angeles
Agradecimentos: Kadist Art Foundation, Taguchi Art Collection

 

(Pavão) Época de acasalamento, 2016
Filme 16mm, cor, sem som, 15’28’’

Co-produção: Haus der Kunst, Munich, Alemanha

 

O Homem Sombra, 2006-07
Filme 16mm, cor, sem som, 1’40’’

Co-produção: ZDB, Lisboa e Trienal de Luanda, Angola

Agradecimentos: DGArtes, Ministério da Cultura, Portugal e MUSAC, Leon

 

Pote mais pequeno que pote, 2010
Filme de 16mm, cor, sem som, 2’25’’

 

3 Sóis, 2009
Filme 16mm, cor, sem som, 0’50’’

Representação Oficial Portuguesa na 53ª Bienal de Veneza, DGArtes, Ministério da Cultura, Portugal

 

Biografia

 

Próximos Eventos

ler mais
  • A Viagem Invertida / Barcelona

    25 outubro 2019
    Caixa Forum / Barcelona

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" é apresentada no contexto da exposição "En Caída Libre", com curadoria de João Laia, em Barcelona. Tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e de Lula Pena, e música de Raw Forest.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • COMO FAZER UMA MÁSCARA / Buenos Aires

    04 dezembro 2019
    Centro Cultural San Martín, Buenos Aires

    PEDRO BARATEIRO

    A performance "Como Fazer uma Máscara" de Pedro Barateiro é um monólogo, acompanhado por um conjunto de imagens projectadas, em que o artista tenta pensar a questão da máscara, através de dispositivos de linguagem e imagem e exemplos que vão da história do teatro ocidental a testes de personalidade.

    ler mais
  • Hard to be a god / Bangkok

    06 dezembro 2019 — 07 dezembro 2019
    Neilson Hays Library / Bangkok

    JOHN ROMÃO & ROMEU RUNA

    Depois da sua estreia mundial no contexto da BoCA 2017, em Lisboa, a performance “Hard to be a god” continua a sua circulação internacional e viaja agora até Bangkok. Os espectadores observam a performance através de uma janela de vidro que separa a ação de seu próprio corpo (protegido), como se fosse uma tela, enquadrando a ação exterior. Uma luta entre a natureza - em todo o seu esplendor - e a tecnologia.

    ler mais
  • OS ANIMAIS E O DINHEIRO / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    GONÇALO M. TAVARES & OS ESPACIALISTAS

    Concebido para a bienal BoCA 2019, Gonçalo M. Tavares e os Espacialistas criaram três performances-conferências inéditas, apresentadas em salas de teatro, a partir do tema “Os Animais e o Dinheiro”. Juntos e pela primeira vez em palco, os artistas desenvolvem formas de sentir acima da média, a partir de textos, imagens, gestos, objetos e espaços em permanente construção, com o público presente.

    ler mais
  • A Viagem Invertida / Santiago do Chile

    07 dezembro 2019
    Matucana 100, Santiago do Chile

    PEDRO BARATEIRO

    Depois da sua estreia mundial na BoCA 2019, a performance "A Viagem Invertida" continua em digressão internacional. "A Viagem Invertida" tem como paisagem a exploração das minas de lítio em Portugal, numa investigação que passa também pelo livro “Queda sem fim, seguido de Descida de Maleström, de Edgar Allan Poe”, de José A. Bragança de Miranda. Com interpretação de Pedro Barateiro e música de Raw Forest.

    ler mais
  • Cattivo

    18 fevereiro 2020 — 23 fevereiro 2020
    São Luiz Teatro Municipal, Lisboa

    MARLENE MONTEIRO FREITAS

    Na edição BoCA 2019, a bailarina e coreógrafa Marlene Monteiro Freitas transgrediu a sua prática e criou “Cattivo”, a sua primeira (mega) instalação composta por centenas de estantes de partitura, que são exploradas até ao limite das suas propriedades expressivas. Assistimos à capacidade de encarnarem estados emocionais e de tomarem decisões, manipulando-se a si mesmas e a outros objetos. Agora é a oportunidade única de descobrir a adaptação desta criação ao SLTM.

    ler mais